Isaías Rocha

Compromisso com a verdade, compromisso com você

Isaías Rocha - Compromisso com a verdade, compromisso com você

Dez são presos por fraude de R$ 12,9 milhões em Paço do Lumiar

Uma fraude de R$ 12,9 milhões em Paço do Lumiar, levou à prisão 11 pessoas nesta quarta-feira (31). Os acusados foram alvo da segunda fase da Operação Cooperare, que investiga irregularidades na contratação da Cooperativa Maranhense de Trabalho e Prestação de Serviços (COOPMAR) pela prefeitura daquele município.

Deflagrada pelo Ministério Público do Maranhão, por meio da 1a Promotoria de Justiça de Paço do Lumiar e do Grupo de Atuação Especial no Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), em parceria com a Polícia Civil e Controladoria Geral da União (CGU), a operação cumpriu mandados de prisão preventiva contra os 11 denunciados por lavagem de dinheiro, organização criminosa e peculato.

A primeira fase da Operação Cooperare aconteceu em 2016. Durante as investigações, foi apurado que a COOPMAR, ao longo de três anos, recebeu repasses de 17 prefeituras e também da Federação das Administrações Municipais do Estado do Maranhão (Famem), da ordem de R$ 230 milhões.

Relatórios técnicos da Assessoria Técnica do Ministério Público e da CGU constataram que a COOPMAR não possuía os requisitos necessários para ser classificada como cooperativa de trabalho, funcionando, na prática, como uma empresa privada.

Empresários querem passagem a R$ 4 para dar aumento a rodoviários de SLZ

Empresários do sistema de transporte de São Luís já fizeram as contas: precisariam praticar aumentar as passagens de ônibus de R$ 3,10 para R$ 4,00 para atender as mais recentes reivindicações dos motoristas e cobradores da capital.

A categoria pede 12% de reajuste salarial, a inclusão de mais um parente no plano de saúde e o aumento do valor do ticket alimentação.

Segundo os empresários, para bancar isso, seria necessário reajuste de aproximadamente 30% na tarifa.

Uma reunião entre rodoviários, Sindicato das Empresas de Transportes (SET) e Ministério Público do Trabalho (MPT) está marcada para as 14h desta quarta-feira (31).

Mais de 2/3 dos deputados na Assembleia Legislativa serão da base de Flávio Dino

Levando em consideração o partido dos deputados eleitos e a coligação com Flávio Dino (PCdoB) nas eleições de 2018, o governador reeleito do Maranhão terá maioria na Assembleia Legislativa a partir de 2019.

Durante a campanha, Dino contou com o apoio do PCdoB, PDT, PRB, PPS, PTB, DEM, PP, PR, PTC, PPL, PROS, AVANTE, PEN, PT, PSB e Solidariedade. Desses partidos saíram 30 dos 42 deputados estaduais eleitos. Além disso, os dois partidos com maior número de deputados eleitos fizeram parte do grupo que reelegeu o governador.

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) terá a maior bancada, com sete deputados; em seguida está o partido de Flávio Dino, o PCdoB, com seis deputados, sendo dois novos e quatro que conseguiram se reeleger. Veja a lista dos deputados eleitos dentro e fora da coligação de Flávio Dino nas eleições 2018.

Deputados dentro da coligação e que farão parte da base de Flávio Dino em 2019

  • Cleide Coutinho (PDT)
  • Márcio Honaiser (PDT)
  • Rafael Leitoa (PDT)
  • Glalbert Cutrim (PDT)
  • Yglésio Moisés (PDT)
  • Fábio Macedo (PDT)
  • Ricardo Rios (PDT)
  • Duarte Jr. (PCdoB)
  • Othelino Neto (PCdoB)
  • Carlinhos Florêncio (PCdoB)
  • Professor Marco Aurélio (PCdoB)
  • Ana do Gás (PCdoB)
  • Adelmo Soares (PCdoB)
  • Neto Evangelista (DEM)
  • Andreia Rezende (DEM)
  • Paulo Neto (DEM)
  • Daniella Tema (DEM)
  • Antônio Pereira (DEM)
  • Detinha (PR)
  • Vinícius Louro (PR)
  • Hélio Soares (PR)
  • Fernando Pessoa (Solidariedade)
  • Rildo Amaral (Solidariedade)
  • Helena Duailibe (Solidariedade)
  • Drª Thaiza (PP)
  • Ciro Neto (PP)
  • Marcelo Tavares (PSB)
  • Edson Araújo (PSB)
  • Zé Inácio (PT)
  • Mical Damasceno (PTB)

Deputados fora da coligação e que farão parte da base de Flávio Dino em 2019

  • Zé Gentil (PRB)
  • Leonardo Sá (PRTB)

Deputados fora da coligação de Flávio Dino e serão oposição em 2019

  • Adriano Sarney (PV)
  • Rigo Teles (PV)
  • César Pires (PV)
  • Wellington do Curso (PSDB)

Deputados fora da coligação de Flávio Dino e ainda não definiram apoio para 2019

  • Arnaldo Melo (MDB)
  • Roberto Costa (MDB)
  • Felipe dos Pneus (PRTB)
  • Wendell Lajes (PMN)
  • Pastor Cavalcante (PROS)
  • Pará Figueiredo (PSL)

Polícia Civil prende ex-prefeito de Serrano do Maranhão

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Cururupu, a 465 km de São Luís, prendeu na segunda-feira (29) Leocádio Olímpio Rodrigues, ex-prefeito da cidade de Serrano do Maranhão, a 111,37 km da capital.

Segundo informações da polícia, Leocádio foi condenado a 13 anos e 4 meses de prisão pelo crime de apropriação ou desvio de bens e recursos públicos em benefício próprio (art. 1°, I, do Decreto-Lei n° 201\1967).

O juiz acatou o argumento da polícia para o afastamento da vedação insculpida no art. 236 do Código Eleitoral, que afirma que nenhuma autoridade poderá, desde 5 dias antes e até 48 horas depois do encerramento da eleição, prender qualquer eleitor, salvo em flagrante delito ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, no sentido de que a prisão não tem relação com o pleito e não interfere no livre exercício do sufrágio, até porque o preso não apresenta a condição de eleitor, por se encontrar com os direitos políticos suspensos, em decorrência de sentença criminal transitada em julgado.

Após os procedimentos administrativos, Leocádio Olímpio Rodrigues será conduzido para o Presídio de Cururupu, onde permanecerá à disposição da Justiça.

Bancada maranhense fala sobre expectativa no governo Bolsonaro

O presidente eleito, Jair Bolsonaro — Foto: AFP

O presidente eleito, Jair Bolsonaro — Foto: AFP

Deputados e senadores maranhenses eleitos e que tomarão posse em 2019, falaram sobre a expectativa no governo de Jair Bolsonaro (PSL), que foi eleito presidente da República no domingo (28) com 57.797.847 votos, o equivalente a 55,13%. Bolsonaro tomará posse em Brasília no próximo dia 1º de janeiro de 2019.

Senadores

Ao G1 o senador Roberto Rocha (PSDB), único a declarar voto em Bolsonaro, disse que um dos desafios que o novo presidente terá pela frente é unir o Brasil. “Meus cumprimentos ao presidente eleito Jair Bolsonaro. Os desafios daqui pra frente são enormes, entre eles de unir o país, resgatar a economia brasileira, por meio da geração de empregos e renda, reforçar a segurança pública e, especialmente, ter um olhar mais atento ao Nordeste”.

O agora eleito senador Weverton Rocha (PDT) disse que fará uma oposição crítica e estará disposto ao diálogo. “Os brasileiros decidiram nas urnas quem ocupará a Presidência do Brasil. E como manda a democracia, devemos respeitar a decisão. Por convicções ideológicas estarei na oposição. Farei uma oposição critica e responsável, disposta ao diálogo. Mas intransigente na defesa do trabalhador, da justiça social e, sobretudo, do respeito às divergências de pensamento”.

Já a senadora Eliziane Gama (PPS) sugere o nome do governador do Maranhão, Flávio Dino, como nova liderança de oposição no país. “Precisamos construir uma unidade de pautas e projetos que garantam um Brasil plural, onde a nossa Constituição Cidadã seja respeitada, bem como as garantias individuais. Urge que novas lideranças Flávio Dino assumam o protagonismo nacional das pautas que são tão caras e foram conquistadas com tanta luta, urge repensarmos de forma proativa uma forma diferente de se fazer política”, disse.

Deputados federais

Sobre a eleição de Jair Bolsonaro, o deputado federal Aluísio Mendes (Podemos) disse que o povo o escolheu porque espera uma mudança e prometeu que irá ajudá-lo em seu governo para que ele possa implantar todas as medidas necessárias ao país. “Foi um desejo da maioria esmagadora do povo brasileiro. O atual presidente da República foi eleito com mais de 10 milhões de voto sobre o seu adversário e isso prova que o povo brasileiro queria uma mudança. O povo brasileiro o escolheu pela forma que ele enxerga o país. O país precisa de mais autoridade, do combate à corrupção e o combate à violência e por isso o povo escolheu Jair Bolsonaro. Agora o que nos cabe como parlamentar, como amigo é conseguir formar uma base de representação expressiva para que o presidente possa implantar aquilo que ele pretende para o país”.

O deputado Pedro Lucas Fernandes (PDT) disse que espera que o novo presidente consiga juntar o Brasil e respeite a Constituição. “Espero que ele possa unificar o pais e zele pelas prerrogativas constitucionais”.

O deputado Edilázio Jr. (PSD) afirmou que deseja que Bolsonaro possa combater a violência, a corrupção e que o Brasil possa ter mais investimentos para que a nação consiga voltar a crescer. “Primeiro aguardar uma transição cordial e pacífica que é o que todos nós esperamos e que o presidente eleito dê prioridade à sua principal bandeira que é combater a violência em nosso país que é algo de número alarmante para os brasileiros e o combate à corrupção que era outra bandeira muito forte do presidente da República, evitar os conchamos políticos, enfim diminuir o custo do país, diminuir o número de ministérios, enxugar as nossas contas públicas. Que o Brasil possa voltar a ter investimentos, que possa voltar a crescer e o principal que é trazer de volta a alegria ao povo brasileiro”.

O parlamentar Rubens Pereira Júnior (PCdoB) espera que Jair Bolsonaro realize um bom governo e que ele possa encontrar um denominador comum com todos os brasileiros, já que quase 45% da população não concordam com as suas atitudes. “Desejo que Bolsonaro faça um bom governo, olhando principalmente para aqueles que precisam de uma vida digna. O presidente eleito não recebeu “um cheque em branco”. Quase 45% da população discorda das suas posições extremistas e autoritárias. Precisamos caminhar para a conciliação, pois isso ajudará o país a sair da crise”.

O deputado André Fufuca (PP) comentou que aguarda do novo presidente a retomada do desenvolvimento social. “Espero um governo de pacificação, união de todas as forças e poderes, em busca da retomada do desenvolvimento e combate a desigualdade social”.

O deputado Hildo Rocha (MDB) acredita que o país passará por mudanças significativas com a entrada de Bolsonaro na presidência. Ele acrescenta que o novo presidente revolucionará a economia brasileira. “Ficou claro que mais de 57 milhões de brasileiros optaram por uma pessoa que está prometendo fazer uma revolução na economia, fazer também uma mudança completa no atual sistema administrativo existente em nosso país e acredito que ele tem tudo para fazer isso em condições plenas, dependendo de como ele vai montar o seu ministério e também da forma como ele vai se comunicar com o Congresso, mas isso vai depender muito da equipe que ele irá montar. Então acredito que nós podemos estar vivendo um momento diferente na história do país. A partir do ano que vem a oportunidade de mudar a vida da população é muito grande”.

O deputado Gil Cutrim (PDT), que faz oposição a Bolsonaro, disse que espera que o novo governo realize uma administração democrática e em sintonia com o Congresso. “O meu posicionamento é o mesmo do meu partido. O que o meu partido decidir eu irei seguir. Nós já estivemos reunidos e seremos neste primeiro momento oposição ao governo Bolsonaro. Eu espero que o presidente eleito faça uma gestão democrática e que consiga conversar com o Congresso no sentido de criar agendas positivas para o Brasil”.

O deputado Eduardo Braide (PMN) comentou que deseja que Jair Bolsonaro faça uma boa administração e que o Maranhão esteja em consonância com o governo Federal. Ele espera que com a renovação do Congresso Nacional novas ideias surgirão para o bem de todos. “Nós percebemos que o Brasil ficou rachado nessa eleição, mas agora acabou tudo isso é hora de unir o Brasil, de pacificar todas essas discussões. Aqueles que são oposição devem fazer oposição com responsabilidade. No mais é desejar um bom governo ao presidente Jair Bolsonaro. Nós temos que procurar estar em sintonia com o governo Federal em favor do Maranhão. Aquilo que for bom para o Maranhão e para o meu Brasil terá o meu apoio, aquilo que não for bom terá o meu voto contrário. Daqui prá frente com o Congresso altamente renovado e mais jovem, eu acredito que é possível sim que se faça a diferença. Eu acho que é isso que o povo brasileiro está esperando”.

42 milhões de eleitores optaram por ‘nenhum candidato’

Os mais de 11 milhões de brasileiros que votaram em branco e nulo no segundo turno das eleições 2018, realizado no domingo, equivalem à população de um país como Portugal. Eles representam 9,5% dos 147,3 milhões de eleitores brasileiros. Bolsonaro foi o vencedor, escolhido por 57,7 milhões de brasileiros, e Haddad (PT) foi opção de outros 47 milhões. Por sua vez, outros 31 milhões de brasileiros deixaram de ir votar – ou 21,30% do eleitorado. Somados aos brancos e nulos, 42,1 milhões não escolheram um dos dois candidatos para ser o 38º presidente eleito democraticamente.

Esse é o maior índice desde a redemocratização do Brasil. Nas eleições presidenciais de 1989, brancos e nulos somaram 5,8% do eleitorado – equivalente a 4 milhões de pessoas –, enquanto abstenções somaram 14,4% do eleitorado, quase 12 milhões de pessoas. Para especialistas, o número expressa desconfiança e descrédito com relação à política e às mudanças que a eleição poderia trazer.

Em nota, Sama diz que Amatra XVI não tem elementos para respaldar a verdade

5a75e2d9-7198-489a-8425-6fc4a201a9a1

O presidente do Sindicato dos Advogados do Maranhão (Sama), Mozart Baldez, que concorre à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil no Maranhão (OAB/MA), pela chapa 01- “Reconstruir é a Ordem”, rebateu as declarações contidas na nota da Associação dos Magistrados do Trabalho da 16ª Região – Amatra XVI para condenar matérias publicadas na imprensa em que a Coordenadora do Centro Jurídico de Métodos Consensuais de Solução de Disputas (Cejusc)/TRT-MA, Ângela Cristina Carvalho Mota Luna, admite que juiz não trabalha às sextas-feiras na justiça do trabalho.

A entidade que congrega os magistrados que atuam na Trabalho do Maranhão rebate release do Sama divulgado em blogs dizendo que o que foi afirmado é que não há audiência no Ccejusc na sexta-feira, como ocorre em vários órgãos jurisdicionais, o que não significa ausência de trabalho dos magistrados, segundo comunicado assinado pelo presidente da Amatra XVI, Saulo Tarcísio de Carvalho Fontes.

No entanto, segundo Baldez, o presidente da Amatra XV não tem elementos a mais que o SAMA para respaldar a verdade ocorrida na Cejusc, quando a diretoria do sindicato estranhou, a partir do estacionamento que estava vazio, inclusive, os privativos a juízes, dando ao entender que vivíamos naquela data um feriado ‘’sagrado’’ naquela instituição e sumulado pelo mal costume de quem não gosta de trabalhar as sextas-feiras, mas gosta de receber o salário integral.

Fotos e vídeos mostram que vagas de juízes no estacionamento do Fórum estavam vazias

Fotos e vídeos mostram que vagas de juízes no estacionamento do Fórum estavam vazias

VEJA A NOTA

NOTA DE REPUDIO Á ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO TRABALHO DA 16ª REGIÃO – AMATRA XVI

O SINDICATO DOS ADVOGADOS DO ESTADO DO MARANHÃO – SAMA, entidade sindical de primeiro grau, apartidária e representativa dos advogados do Estado do Maranhão, CNPJ nº 24.208.471/0001-58, com sede na Rua Padre Manoel da Nóbrega nº 170. Bairro do Apeadouro – São Luís – MA, telefone : (98) 30828652/981481956, por seu Presidente in fine assinado, vem a público, a propósito da matéria veiculada pela AMATRA, nesta data, com o título ‘’NOTA PÚBLICA DE ESCLARECIMENTO E DESAGRAVO’’, EMITIR a presente nota, pelas seguintes razões:

I – Primeiramente, é lamentável que um juiz do trabalho, doravante investido de função classista, licenciado para atuar em uma associação que trata de interesse privado de juiz, seja remunerado pelo Estado , recebendo até auxílio moradia, fora da função ;

II – Mais estarrecedor ainda, é um juiz trabalhista utilizar-se de uma associação, mascarando-a, para fazer as vezes de sindicato, o que é vedado pela CF de 88 aos magistrados, e que os mesmos nunca tenham lido o Art. 8º da Constituição Federal do seu país, para saber que o legislador de 1988, contemplou a todos os trabalhadores o direito de representação sindical, não excluindo os advogados, exatamente para contestar práticas antigas e nefastas como as que outrora e diariamente combatemos, como a de exigir que os magistrados do Maranhão, em particular da Justiça do Trabalho, exerçam as suas atividades laborais de segunda a sexta-feira de 08:00 às 18:00 hs, em obediência aos iguais parâmetros das sentenças que, diariamente, proferem como condenação para os incautos que não cumprem o estabelecido na Constituição Federal e na Consolidação das Leis do Trabalho;

II – Ora senhor juiz e dirigente classista, não somos um ‘’grupo minoritário’’ de advogados que foi protestar na Justiça do Trabalho da 16ª Região do Maranhão, na manhã do dia 26/10/18 contra juízes que não trabalham durante as tardes e o dia todo nas sextas-feiras. Somos uma direção eleita de um sindicato democrático referendado pela Carta de 88 e que nenhum dos seus integrantes recebe benesses do governo a qualquer título. Não temos do que nos envergonhar;

III – A bem da verdade, o senhor não tem elementos a mais que o SAMA para respaldar a verdade ocorrida na CEJUSC, quando a diretoria do sindicato estranhou, a partir do estacionamento que estava vazio, inclusive os privativos a juízes, dando ao entender que vivíamos naquela data um feriado ‘’sagrado’’ naquela instituição e sumulado pelo mal costume de quem não gosta de trabalhar as sextas-feiras, mas gosta de receber o salário integral;

III – Não tente portanto com a malsinada e temerária NOTA DE DESAGRAVO confundir a opinião pública, essa sim, juntamente com os advogados e advogadas do Maranhão, as maiores vítimas dos juízes que não trabalham o tempo integral , produzem pouco e que se valham de desculpas esfarrapadas para esticar todos os finais de semana, na Justiça do Trabalho do Maranhão;

IV – Tenha em sua consciência senhor juiz -presidente da AMATRA -que para o SAMA juiz não é super deus e nem intocável. Juiz é um ser humano igual a todos e passível também de ‘’estar preso’’ e responder a processo pelos seus atos de improbidade, etc., deve ser respeitado e respeitar a todos e agir sem arrogância, afinal todos somos iguais perante a lei;

V – O que aconteceu ontem na Justiça do Trabalho foi fruto de mal preparo da juíza diretora Ângela Mota Luna, da CEJUSC, que sem nenhum traquejo para a função não soube explicar a ausência de juízes conciliadores e togados no Tribunal, assim como confundiu o cargo que ocupa de direção com a sua condição de juíza corporativista, que apenas se identificou no final da conversa, ao contrário deste signatário, que o fez no início, tendo ao final expulsado os advogados da sua sala, de forma grosseira por falta de argumentos, porque entendeu ser ali a sua casa e não uma repartição pública, aonde o funcionário tem o dever de explicar os seus atos administrativos;

VI – Ora, a pergunta que incomodou a magistrada foi o por quê não haver audiências na Justiça do Trabalho, em sua pasta (CEJUSC), no período da tarde, e o por quê toda sexta-feira não tem expediente naquele centro ? Entendemos que essas perguntas não têm respostas, mas a própria constituição federal garante a todos o direito de silenciar a qualquer pergunta, o de perguntar também, menos tratar as pessoas sem urbanidade, fato que efetivamente aconteceu e que foi repelido na mesma proporção, o que não é comum nas relações entre juízes e advogados e os desagrada profundamente, por se acharem superior a tudo e a todos;

VI – Querer politizar a visita do SAMA ao judiciário trabalhista é tentar encobrir o sol com a peneira. Mas pelo que escreveu na nota, mostra o presidente da AMATRA que é carente de informações atualizadas. Há mais de cinco anos como advogado, o signatário vem denunciando a ilegal jornada ‘TQQ’ no Maranhão e há 3 anos pelo SAMA. Basta ir nas redes sociais e na mídia em geral;

VI – Por fim , queremos registrar que o sindicato continuara exercendo o seu mister dentro da legalidade e não se intimidará de nenhuma forma com ameaças de prisões por magistrados, como ocorreu ontem, na Justiça do Trabalho, para impedir a sua atuação legítima e constitucional, e o inconformismo de uma classe que reivindica somente que os magistrados despachem, atuem , produzam e cumpram a jornada completa de trabalho.

São Luís – MA, 27 de outubro de 2018
MOZART BALDEZ

Presidente do SAMA – SINDICATO DOS ADVOGADOS DO ESTADO DO MARANHÃO

TSE mantém indeferimento de candidatura de Hemetério Weba

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou, em julgamento realizado na manhã de hoje (25), decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) e manteve indeferido o registro de candidatura do deputado estadual Hemetério Weba, do PP.

A informação é da assessoria de comunicação do TRE-MA.

Em decisão monocrática anterior, o relator do caso, ministro Tarcísio Vieira de Carvalho Neto, já havia negado seguimento a uma ação cautelar em que parlamentar solicitava que fosse conferido efeito suspensivo ao seu recurso.

Com as duas derrotas em Brasília, os mais de 32 mil votos de Weba foram mesmo anulados e ele nem suplente de deputado pode ser.

Bancada prepara-se para definir destino de emenda de R$ 169 milhões ao MA

A destinação de emendas parlamentares no valor de R$ 169 milhões deve novamente opor membros da bancada maranhense no Congresso Nacional.

Nesta semana, deputados federais do Maranhão reuniram-se para começar a discutir o tema, mas – sem a presença de todos representantes e, ainda, sem nenhum senador presente – ainda não foi possível tomar uma decisão, que ficou para a próxima semana.

O tema é controverso e ainda não há consenso. O deputado federal Hildo Rocha (MDB), por exemplo, já propôs que o recurso seja encaminhado ao estado, novamente, via Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

“Defendi a destinação de recursos para o fortalecimento da agricultura familiar, por meio da Codevasf e também para melhorar o atendimento oncológico, no Estado”, esclareceu.

Aliados do governador Flávio Dino (PCdoB), no entanto, preferem que a verba seja encaminhada ao Executivo, para aplicação direta nos municípios.

Cizânia

O destino da chamada emenda de bancada – um aporte de recursos a ser indicado, em conjunto, por todos os membros da bancada maranhense no Congresso, composta por deputados federais e senadores – já foi motivo de cizânia em 2017.

Também naquele ano, os aliados de Dino pretendiam enviar ao governo os $ 160 milhões da emenda. Após intervenção do senador Roberto Rocha (PSB), corroborada pela maioria, decidiu-se encaminha ao Executivo estadual R$ 70 milhões. Os outros R$ 90 milhões foram repassados por meio da Codevasf.

Pelo acordo do ano passado, os R$ 70 milhões repassados via Governo do Estado foram integralmente destinados às Saúde.

Já os R$ 90 milhões da Codevasf foram aplicados em ações voltadas ao fortalecimento da capacidade produtiva dos municípios, como a construção e recuperação de estradas, implantação e distribuição rural de energia, e aquisição de equipamentos agrícolas.

Saiba mais

A decisão da bancada de encaminhar recursos à Codevasf, em 2017, ainda incomoda aliados do governador Flávio Dino (PCdoB). No início do mês, após sua eleição como senador, o deputado federal Weverton Rocha (PDT) lembrou do caso, ao comentar como se dará sua relação com Roberto Rocha no Senado.

“Essa harmonia é melhor não ter, porque essa harmonia foi justamente para boicotar o Maranhão. Eles deixaram de mandar uma emenda de R$ 180 milhões [R$ 160 milhões, na verdade] para a Saúde do Estado com essa harmonia aí, mantendo essa tal de unidade. Se for assim, é melhor a gente chegar dividido, dois a favor do Maranhão”, afirmou.

PM apreende urnas sendo transportadas em moto sem placa no MA

Um caso estranho ocorreu ontem (25) na cidade de Lago da Pedra.

Após uma abordagem de rotina, policiais militares apreenderam duas urnas eletrônicas que estavam sendo transportadas em uma motocicleta sem placas.

Aos PMs, o motoqueiro – que também não tinha qualquer documentação do veículo – disse que estava atendendo a um pedido de um taxista, que deveria fazer o transporte do material para a zona rural da cidade, mas teve problemas com o carro.

Segundo informações do Blog do Gilberto Léda, as urnas deveriam ser transportadas por uma empresa do Piauí, que venceu concorrência para prestar o serviço.

Na região, essa empresa contratou o serviço do taxista, que subcontratou o motoqueiro.