Othelino Neto ignora convenção do próprio partido em São Luís e foge para interior

Spread the love

Por fidelidade a Weverton, presidente da Assembleia tomou uma posição constrangedora ao PCdoB na capital, desprestigiando o maior colégio eleitoral do estado

Othelino Neto é um deputado do PCdoB que só obedece comando de Weverton, presidente do PDT no Maranhão

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), tem dado sinais cada vez mais claros de que quer evitar contrariar o  senador Weverton Rocha (PDT), em São Luís, com quem mantém relação de confiança.

Othelino sabe que o senador tem a capital como referência. Foi aqui onde Weverton começou os primeiros passos na política, conquistou o mandato de deputado federal e consagrou a carreira como senador.

O problema, entretanto, é que na disputa pelo comando do Palácio La Ravardiere – sede da prefeitura de São Luís, o pedetista resolveu apoiar o deputado Neto Evangelista (DEM), que passou a ser adversário do candidato Rubens Júnior (PCdoB), filiado ao mesmo partido do presidente da Assembleia Legislativa.

VEJA TAMBÉM:
Por fidelidade a Weverton, Othelino fica “em cima do muro” com apoio ‘incubado’ a Neto Evangelista

No último domingo, dia 13 de setembro, para comemorar o apoio do PT ao projeto majoritário na capital, o PCdoB realizou sua convenção partidária para homologar os nomes de Rubens e Honorato como candidatos a prefeito e vice. Quase todas as lideranças de peso do partido marcaram presença no ato, com exceção do governador Flávio Dino que deve ficar neutro no primeiro turno da eleição.

Uma das ausências mais notadas e comentadas, foi justamente a de Othelino Neto que optou por participar de convenções no interior, para se  esconder das cobranças dos colegas de partido, que veem no comunista uma postura “covarde e infiel” à própria legenda.

Para Othelino, convenção de Zezildo em Santa Helena foi mais importante que a de Rubens em São Luís

A posição de Othelino Neto é mais uma humilhação ao PCdoB, do governador Flávio Dino, pois por fidelidade a Weverton, o dirigente do Palácio Manuel Beckman preferiu adotar uma postura constrangedora ao próprio partido.

Quem atua na política sabe que um engajamento na campanha do maior colégio eleitoral do estado terá peso no resultado da corrida de 2020 com reflexo, inclusive, em 2022. É justamente por isso, que o chefe do Legislativo estadual pode sofrer um ‘baque’ sem precedentes na correlação de forças que sustenta seu projeto politico.

Enquanto ele se acovardou, o deputado Josimar de Maranhãozinho não se intimidou e avançou nos municípios da Grande Ilha e até mesmo na capital, principal base de Weverton. Além disso, o presidente regional do PL também vem recebendo uma adesão maciça de vários deputados que estão com mandatos na Casa de Leis que hoje é presidida por  Othelino, mas pode ter um novo comando a partir de 2022.

A fidelidade a Weverton é tão grande, mas tão grande que o comunista só participou de convenção do PCdoB nas cidades onde o PDT resolveu formar alianças. Um exemplo disso foi Imperatriz, onde o Professor Marco Aurélio homologou sua candidatura majoritária com uma chapa formada por PCdoB, PSB, Solidariedade, PT e PDT.

E, por falar em PDT, o saudoso Leonel Brizola tem uma frase que resume bem a vergonhosa postura do parlamentar comunista: “A política ama a traição e odeia o traidor”

Em São Luís, Weverton não deixou Othelino apoiar o PCdoB. Mas, em Imperatriz onde PDT apoia PCdoB, o presidente da Assembleia obteve a liberação do senador para apoiar Marco Aurélio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *